Poema a Cesário Verde"A perfeição do poeta " traduzido: Ao Miguel Almeida!

Publié le par Rosario Duarte da Costa

 

 

Poème à Cesário Verde

(le poète portugais dont j’ai déjà parlé ici, sur ce blog!)

 

Poema a Cesário Verde

A perfeição do poeta

 

Viajando por terras estrangeiras,

A travessia do poeta, por explendores e misérias

É a cristalização da vida humana, estudada em redor

E se não é admirável, pelo menos é perfeita

Por medida de rigor, a ânsia de uma obra lapidar

A escrita das preocupações, para relevar

A clareza e a harmonia, com técnicas de florear;

Mesmo quando é o caso da frieza, nos versos

Ainda que por forma pura, escultórica até

Haja constância de apuro, no cinzel

Para apenas pôr factos, que as palavras exactas (d) escrevem

E se não é suprema, a perfeição está no poeta

Mais visível, pelo menos

Na medida da certeza de alguém, que concebe que algures há

Deus

In: O Templo da Glória literária

de Miguel Almeida

 

(Traduction)

La Perfection du Poète

 

Voyageant par des terres étrangères,

La traversée du poète, à travers les splendeurs et les misères

C’est la cristallisation de la vie humaine, étudiée autour

Et si elle n’est pas admirable, elle est au moins parfaite

Par mesure de la rigueur, l’anxiété d’une œuvre lapidaire

L’écrit des préoccupations, pour relever

La clarté et l’harmonie, avec des techniques d’embellir ;

Même quand il s’agit de froideur, dans les vers

Malgré que par pure forme, sculpteuse même

Il y ait de la constance d’épurement, dans le ciseau

Pour mettre à peine des faits, que les mots exacts (d) écrivent

Et si elle n’est pas suprême, la perfection est dans le poète

Plus visible, au moins

Dans la mesure de la certitude de quiconque, qui conçoit qu’il y a

                                                                                    quelque part

Dieu

Traduit par : Rosario Duarte da Costa

Copyright

01/08/2012

 

Quarta-feira, 22 de Dezembro de 2010

O Templo da Glória Literária - Miguel Almeida

Partindo de mim para além, de lá para a mim retornar sempre.

É assim a poesia, uma viagem do interior para além de limites imagináveis.
Porque nada é póstumo, os Imortais vivem e escrevem neste livro de
M. Almeida, transportados pela voz da sua caneta.
No entanto, não são os poetas Imortais que falam pela voz de M. Almeida;
 é M. Almeida que se faz ouvir (por vezes gritando outras gemendo ou ainda
sussurrando) na escrita do poeta de hoje.
É a voz viva do poeta vivo, vivo como os Imortais que se ouvem também eles.
Homero em uníssono com Sophia, Solon de mãos dadas com Cesariny.
Vivos, todos vivos.
Mortos são alguns que vivem e não cantam nestas trovas.
E é com os Imortais que M. Almeida vive porque se faz ouvir neste livro.
Ler este livro é expor corpo e alma ao contágio. Sim, a poesia é contagiosa:
dos Imortais para M. Almeida; de M. Almeida para quem lê.
É um contágio que liberta porque poesia é liberdade.
A poesia é a “dor do deus” (pg. 84)…

Este é o primeiro livro de poesia que coloco neste blogue. Se exceptuarmos
alguns poemas de Fernando Pessoa, posso dizer que não gosto de poesia.
Nunca gostei. Mas adorei este livro, que é um livro de poesia. Porquê? Não sei…
talvez porque a poesia de M. Almeida me tenha dado este prazer imenso de viajar
pelos Imortais mas também pelas palavras e pelos sons.
Sim, os sons; as letras de M. Almeida soam por vezes como música. Como disse
Fernando Pessoa, citado neste livro: “a poesia é uma música que se faz com ideias
e por isso com palavras”.
De resto, fica a liberdade.
Almeida escreve como quem voa.
As palavras viajam e as nossas ideias sobrevoam a alma de quem escreve.
Passeiam pela sabedoria da Grécia antiga, num tributo (que nunca pagaremos
totalmente) aos clássicos.
Uma sabedoria que em excesso já não é sabedoria; é talvez prazer ou poesia.
Com os Imortais vivemos ao longo das páginas.
Com exaustão; a vida “esmurrando o amor” (pg. 51).
O amor… o delírio dos poetas… mas muito acima disso há a vida!
E a poesia de M. Almeida é, acima de tudo, uma poesia viva.
Livre.

O Templo da Glória Literária - Miguel Almeida

Publié dans Auteurs Lusophones...

Commenter cet article