Ode a um instante de vida !

Publié le par Rosario Duarte da Costa

Campo de papoilas

Auteure: Luisa Pintado"olhares.com"

Bonitos animais
 

 

Ode a um instante de vida !

 

Antes olhavas para o sol e querias torná-lo cada vez maior !

Ouvindo os gritos da passarada, o poema ardia-te nos dedos,

enquanto as árvores casbibaixas marchavam lentamente,

na ponta dos seus pés!

Às vezes, o vento zunia e, os trigais balançavam-se -como as

dançarinas de balet no palco de um teatro!

Colhias ali as papoilas vermelhas -como o teu sangue-, belas

e frágeis como as porcelanas da tua mãe.

Então cerrando os olhos, escutávas o último murmúrio das

árvores quando elas passavam por ti (ou eras tu que passavas

por elas ?!), fincávas os dedos na hora ouvindo o canto que

furava o ar. Na intensidade da luz as sombras escondiam-se nos

buracos dos ramos das árvores sedentas!

Colhias os galhos no teu regaço, para acenderes o lume dos

teus dias ali, naquela terra onde se colaram depois as imagens

do sol, do mar e da tua infância!

A pouco e pouco desabitás-te os dias e as noites, as estrelas

escondendo-se por detràs do céu do teu olhar. Nas tuas mãos

colaram-se apenas algumas folhas já fanadas, para recordares

o tempo, o espaço e movimento, doutros tempos, doutras

vontades, doutras eras!

Rosario Duarte da Costa

Copyright (20/02/2010)  

01/04/2012

 

 

 Recanto

 

Commenter cet article