E é! (Os escândalos das politicas na Europa/Les Scandales des politiques en Europe!)

Publié le par Rosario Duarte da Costa

 

E, é!

 

 

E é!

É que nos continúam a mentir, acerca da crise financeira, económica

e sistémica...

Em toda a Europa dizem que tudo isso irá acabar, pela graça de náo

sei de quem, num caminho de não sei por onde!

Mesmo em França -por exemplo-, o candidato/presidente apregoa a

crise e, logo depois acaba por dizer que não há mais crise a não ser

a económica... Vamos lá compreender, como vai a nossa Europa.

O que é certo, é que com ou sem crise estamos a pagar cada vez mais

e, ninguém abre a boquinha. Nem os sindicatos, nem os partidos

políticos (embora alguns sejam mais claros do que outros), nem os particulares que quando têem problemas caminham às direitas ou

avessas para as assistentes sociais e, por isso receiam que os outros o

saibam!

E é assim que caminhamos todos enroladinhos em nós mesmos, encavacados quando alguém pergunta se tudo vai bem e, com uma

aparência que foge à realidade do que somos.

Rosario Duarte da Costa

Copyright

09/04/2012

   

Pour mémoire:

-  Un suicide en Grèce..

- Frère et soeur se suicident au Portugal

-  Contrats de w en CDD, non garantis au Portugal

 

www.correiodamanha.pt

Empréstimos
Estado impede crédito bancário de chegar ao sector privado.
01h00 Nº de Votos (0) Comentários (0)
www.jn.pt
 

PS quer saber se Governo esconde novas medidas de austeridade

O PS acusou o Governo de estar "a tomar decisões às escondidas" do Parlamento, dos parceiros sociais e dos portugueses e exigiu saber se estão a ser tomadas novas medidas de austeridade sem conhecimento público.  

www.jn.pt

Contratos a termo cessam sem aviso nem pagamento de indemnização

Publicado às 00.00

Eduarda Frommhold

 

O Governo quer harmonizar o Regime de Contrato em Funções Públicas com o Código do Trabalho privado. A proposta é discutida, esta terça-feira, entre sindicatos e o secretário de Estado da Administração Pública.

 
foto Nuno Pinto Fernandes/Global Imagens
Contratos a termo cessam sem aviso nem pagamento de indemnização
Secretário de Estado da Administração Pública
 

Algumas das medidas propostas, como a redução do pagamento das horas extraordinárias ou as novas regras para a cessação dos contratos a termo, são mesmo mais penalizadoras dos trabalhadores do que no setor privado, acusam os sindicatos.

Na opinião do presidente do Sindicato dos Quadros Técnicos do Estado (STE), Bettencourt Picanço, a proposta "não leva a melhorias no funcionamento dos serviços, mas os trabalhadores passam a ter as remunerações reduzidas e o trabalho acrescido, quando devia haver uma diminuição do trabalho extraordinário tendo em conta os números do desemprego", declarou ao JN/Dinheiro Vivo.

Ler mais na versão e-paper ou na edição imp

 

Publié dans Dialogues

Commenter cet article