Boa Noite! (Da angústia aos “Contos” de Miguel Torga!)

Publié le par Rosario Duarte da Costa

Boa Noite!

 (Da angústia aos “Contos” de Miguel Torga!)

 

Toda esta Europa em declínio...

Toda esta pressão política sobre a França..., fazem-me subir

a adrenalina e enervar um pouco, pela maneira manipuladora

constante.

Então regresso a coisas velhas e simples, de maneira a encontrar

conforto e sentimento de existência ainda!

 

E, foi então que abri o meu living (onde por falta de espaço nas

estantes coloquei ainda livros), deparando com o livro de Contos

de Migual Torga!

Trata-se da sétima edição revista e impressa em Coimbra.

 

Então, recomecei a lê-lo, indo ao encontro de Nero, Mago,

Madalena, Morgado, Bambo, Tenório, Jesus, Cabra-Cega,

Ladino, Ramiro, Farrusco, Miura, O Senhor Nicolau, e Vicente!

 

Reentrei na infância. Voltei aos meus tempos de professora,

quando eu o lia para os meus alunos. Gostei!

E, deixo-vos aqui uma parte do prefácio, escrito pelo autor:

 

“ mais tarde seremos o pó da História, o exemplo promissor ou

maldito, o pretérito que se cumpriu bem ou mal. Se eu hoje

me esquecesse das tuas angústias, e tu das minhas, seríamos

ambos traidores a uma solidariedade de berço, umbilical e

cósmica; se amanhã não estivéssemos unidos nos factos

fundamentais que a posteridade há-de considerar, estes anos

decorridos ficariam sem qualquer significação, porque onde

está ou tenha estado um homem é preciso que esteja ou tenha

estado a humanidade”.

Rosario Duarte da Costa

Copyright

01/05/2012

 

www.rtp.pt

 

"Bichos" de Miguel Torga

Poeta telúrico, herdeiro da Terra dura e virgem que lhe emprestou o "ventre", Miguel Torga tem nos seus "Bichos" uma obra de teor distinto.

Bichos de Miguel Torga

Ana AfonsoPersonagens de "Bichos"

Nesta compilação de contos (14, no total), não existe uma distinção entre o humano e o animal, entre o ser racional e o ser que vive do instinto. Personificados ao máximo na sua "animalidade", os animais assumem almas quase humanas e os seres humanos descobrem-se na sua bestialidade. Torga mostra-nos os sentimentos (medos, alegrias, vontades e desejos) de touros (Miura), insectos (Cega-Rega), cães (Nero) e gatos (Mago), entre outros. Mas também os homens e mulheres que se desumanizaram (Madalena, Jesus, Senhor Nicolau), que perderam a sua capacidade de pensar, de agir conforme a sua índole, têm espaço para "falar" e inserem-se no mesmo molde. Bichos somos todos, afinal, quando a vida chega a um ponto em que deixa de fazer sentido para a razão que conhecemos.

Se este é um livro para crianças, tecido de pequenas histórias de animais que pensam e falam, há muito, muito mais escondido entre as suas páginas. Não é à toa que um corvo revoltado (Vicente ou Torga, se lermos nas entrelinhas), a voar rumo à liberdade, pode causar tanto frisson em pleno Estado Novo.

por: Grandes Livros
Tags: Miguel Torga

 

Publié dans Auteurs Lusophones...

Commenter cet article